Diversificação Inteligente

“Não carregue todos os ovos em uma mesma cesta”, esse proverbio resume o que vou comentar no post de hoje.

Fala pessoal,

Umas duas semanas atrás escrevi sobre as debêntures como forma de diversificação, o post está lá para quem tiver curiosidade, o que não me dei conta é que ainda não havia nenhum material no blog sobre a diversificação em si, quando utilizar e tal, pois então, agora vai ter.

Primeiro vamos analisar a frase lá de cima e fazer um paralelo com a diversificação, que nada mais é do que dividir os seus investimentos (ou qualquer coisa dependendo do contexto) em ativos e produtos diferentes, de forma a lhe gerar mais segurança, caso você venha  a sofrer uma perda em algum deles, ou no caso da cesta se alguém lhe roubar uma delas ou a cesta cair e lá se vão os ovos, perdão pelo exemplo, mas é para ficar ilustrativo.

O problema que vejo nessa história toda é que não basta apenas comprar produtos diferentes, a diversificação deve fazer sentido, tanto em relação ao valor como em relação aos prazos estabelecidos para cada produto.

Vou contar a minha experiência quando eu achava que era o investidorzão porque tinha três produtos com nomes diferentes, que faziam a mesma coisa e rendiam menos que o mais simples dos títulos do tesouro nacional.

Eu havia juntado uma graninha então fui ao banco pedir conselhos ao meu gerente sobre onde deveria investir aquele dinheiro, como eu tinha lido a frase lá de cima em algum lugar eu queria produtos diferentes para minha “grande estratégia de diversificação”. O gerente ficou feliz em vender produtos do banco dele e indicou várias opções que lhe ajudariam a cumprir suas metas, mas agora vejo que ele não pensou muito no que era melhor para mim naquele momento. Acontece.

Na época a divisão foi feita entre poupança, uma LCI que rendia 70% do CDI e um CDB que entregava algo em torno de 80% do CDI, e todos os produtos me davam liquidez, apesar de a LCI ter carência de 3 meses, no fim das contas eu tinha diversificado entre três produtos que serviam para mesma coisa, me dar liquidez imediata, e que rendiam muito pouco, pois o valor investido em cada um também era pequeno. Aprendi da forma mais alegre possível que eu estava até mesmo perdendo da inflação.

Com a minha história quero chamar a atenção para alguns pontos: quando é realmente necessário começar a diversificar, e como fazer isso da melhor forma para você, e que o seu gerente no banco gosta mais dele mesmo do que de você.

Quando iniciar as diversificações?

A ideia pessoal é que quem está lendo não cometa os mesmos erros que eu, então na hora de diversificar siga alguns detalhes práticos.

Vou supor que você está começando a construção de seu patrimônio, esteja fazendo os primeiros aportes ou montando a sua reserva de emergência, para quem já tem um patrimônio mais elevado o post pode ficar pouco útil nesse momento.

Quando começar a investir a regra é juntar a grana em um bolo só, isso vai lhe trazer mais facilidade e até mesmo uma rentabilidade maior pois com valores pequenos é muito difícil achar boas oportunidades. Lembre-se de focar na renda fixa no início, principalmente na construção da reserva de emergência, e para isso você conta com ótimos mecanismos de proteção que são o FGC e os próprios títulos do tesouro que são os mais seguros que existem.

Com um patrimônio próximo ou acima de R$ 25 a 30 mil, você já pode buscar produtos mais sofisticados que lhe entreguem um rendimento mais alto, uma boa opção para quem quer ficar na renda fixa são as debêntures, com valores a partir de R$ 1000,00 aproximadamente você já tem acesso a esses produtos, mas lembre-se de que o risco também aumenta então limite a 5 ou 10% dos seus investimentos nesses ativos.

As opções para diversificar são várias, mas pense sempre que para fazer sentido você deve buscar um produto que lhe entregue um resultado diferente (prazo ou rentabilidade) do que você já tem, um exemplo seria diversificar os investimentos de forma a construir seu patrimônio para aposentadoria, nesse caso seria possível usar títulos como o Tesouro IPCA, por exemplo.

Não basta comprar um produto diferente, senão você segue o meu exemplo, eu tinha 3 produtos diferentes, contudo todos eles serviam para o mesmo objetivo. A ideia é que a diversificação atenda objetivos diferentes e ainda lhe permita ter uma rentabilidade maior e gere mais segurança para sua carteira.

Diversifique de forma inteligente

Resumindo, no início a ideia é concentrar os ovos na mesma cesta, isso mesmo, com uma quantia maior de dinheiro é possível ter melhores rentabilidades, após acumular um patrimônio razoável a diversificação passa a ser uma boa opção e é até uma necessidade para buscar mais segurança e rentabilidade.

Lembre-se de diversificar sempre em produtos que atendam objetivos diferentes, ou se estiver acumulando para um mesmo objetivo mantenha um equilíbrio quanto ao risco, mas sem deixar de procurar um produto que permita turbinar sua rentabilidade.

Vou ficando por aqui, até a próxima.

Anúncios

2 comentários em “Diversificação Inteligente

  1. JCDattoli disse:

    Boa dica, Orlando. Gostei da postagem!

    Curtido por 1 pessoa

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s