Faz mal comer manga com leite?

Olá pessoal,

Em primeiro lugar, o blog ainda é sobre finanças, apesar do título, iremos chegar lá. Já a ideia do post eu achei em um no blog Jurus, na plataforma Medium, vale a pena dar uma conferida, apesar de o último post ser de 2017. Pelo menos na data que escrevo esse artigo.

Afinal de contas comer manga com leite faz mal?

Não, é um mito. Mas há uma justificativa para essa crença.

Antigamente os senhores de engenho (espero que todos lembrem destes das aulas de história) buscando evitar o consumo de leite pelos escravos, já que o produto tinha um alto valor de mercado e diferente de hoje não era produzido em uma grande escala, criaram o mito de que consumir manga com leite era prejudicial a saúde ou fatal.

Na época os escravos consumiam muita desta fruta, e preferiram não arriscar suas vidas para comprovar se o mito era verdadeiro ou não.

Bem, o que acontece é que a lenda permanece, e tem gente hoje em dia que ainda acredita no fato, muito comum ser aquelas histórias de vô ou vó.

Mas onde isso se encaixa nas suas finanças?

Alguns parágrafos acima podemos notar a palavra CRENÇA, e este é o ponto do post.

Muitos de nós crescemos acreditando em alguns fatos que nos foram contados, seja sobre vida, relacionamento e claro, finanças. Algumas destas coisas realmente são verdades, mas até que ponto vale acreditar em tudo cegamente.

Se eu gosto de manga e de leite, porque não misturar os dois? Uma pesquisa rápida no Google vai me dar uma resposta, contudo outros mitos são um pouco mais complicados.

Um dos mais contados e que já foi comentado aqui no blog algumas vezes é que para enriquecer deve-se estudar arrumar um “bom” emprego e tudo acontecerá magicamente, apesar de que a maioria das pessoas já faz isso, entenda mais aqui.

Minha ideia com esse post, é que devemos ser um pouco mais céticos quanto ao que nos é contado, questionar e buscar informação deve ser um hábito, não só sobre questões financeiras, mas sobre tudo, religião política, alimentação, etc.

Claro, mantenha a mente aberta, só porque alguém diz algo diferente não precisa rejeitar a ideia ou tentar provar que a pessoa está errada, mesmo que esteja, se fizer isso sempre você acaba se tornando um chato.

Guarde o que for importante e útil e descarte o resto, mas continue a evitar comer manga com leite na frente de seus avós.

Espero que tenham gostado e até mais.

Flws.

Aproveitando, conheça o curso Futuro Mais Rico e aprenda um pouco mais sobre finanças comigo.

 

 

Anúncios

Valor mínimo para investir

Olá pessoal,

Investir gera alumas dúvidas, e uma delas é: com quanto se pode começar em cada investimento. A resposta é simples, com R$ 1,00 apenas você já pode dar o primeiro passo.

Alguns outros exigem um valor mínimo de entrada, que pode ser de R$ 30,00 como no Tesouro Direto, R$ 500,00 ou 1000,00 para alguns CDB’s ou LCI’s de bancos, ou R$ 150.000,00  nas letras financeiras e por aí via.

Contudo, os bancos tem ficado cada vez mais democráticos em relação a seus investimentos, sendo possível ter acesso a ótimas oportunidades com valores mais baixos. Tudo isso devido a concorrência dos bancos menores e a informação cada vez mais acessível.

Mas a proposta deste post é um pouco diferente. 

Certos investimentos permitem aportes mais baixos, como é o caso das ações, por exemplo. Tendo conta em uma corretora é possível investir em ações com R$ 50,00 ou menos, e apesar de ser algo raro comprar lotes com menos de 100 ações, é totalmente viável, mas até que ponto faz sentido?

Não é objetivo deste post criticar quem opera desta forma, e nem entrar em detalhes específicos sobre as ações, mas sim trazer algumas dicas de como determinar um valor mínimo para um investimento, baseado nos custos e riscos.

Futuramente podemos detalhar essas questões por produtos em posts específicos.

O que devo observar?

O custo do investimento deve ser analisado. Não só da operação em si, mas custos de custódia, taxas, tributos e até mesmo a TED/DOC, na hora de transferir o dinheiro da conta para a corretora ou banco em que irá investir.

Se você está investindo R$ 100,00 e pagou 10 reais para transferir seu dinheiro e outros 10 reais de corretagem, seu lucro esperado deve ser de no mínimo 20% apenas para cobrir estes custos, isso sem considerar tributos, inflação e etc.

Essa dica vale tanto para produtos de renda variável ou mesmo renda fixa.

Expectativas de retorno x objetivos: nenhum de nós tem habilidades de prever o futuro, mas algumas análises devem ser feitas antes de investir.

Se o seu investimento tem por fim um objetivo específico com valor pré-determinado, não adianta esperar milagres do seu investimento, você terá de contribuir com um valor minimo inicial ou nos aportes mensais para chegar onde deseja.

Para facilitar a sua vida há um post que lhe ensina a calcular esse valor e instruções para conseguir a planilha aqui do blog.

Diluindo os riscos: o exemplo aqui será dentro da renda fixa, mas serve para outras áreas também. Mesmo quem tem um perfil mais arrojado, não deve colocar todos os ovos na mesma cesta, se você por exemplo, decide investir em debêntures, sabe que o risco é maior, mesmo se tratando de um produto de renda fixa.

Nesse caso, a ideia do valor mínimo está atrelada ao percentual de patrimônio destinado a esse investimento, mais uma vez, ninguém tem capacidade de prever o futuro, então se você separou R$ 1.000,00 (valor mínimo aprox. para começar) para investir em debêntures seu risco aumenta bastante, já que todo o capital está concentrado em apenas uma empresa, a ideia então é que se distribua o valor em 5 ou mais opções, o que requer um valor mínimo de R$ 5.000,00, ou se a escolha é em relação ao patrimônio total que se limite esse investimento a 5 ou 10% dos investimentos totais.

Em resumo essa é a ideia, as vezes juntar por mais tempo pode trazer um pouco de ansiedade, mas com certeza irá diluir tanto os custos como os riscos do seu investimento.

Até mais.

Aproveite o cupom e conheça também o curso Futuro Mais Rico

 

 

O que preciso saber antes de investir?

Olá pessoal,

Acredito que haja um certo misticismo em relação aos investimentos, como se fosse necessário ser especialista no assunto para começar ou ganhar dinheiro “de verdade”. Muita coisa acaba sendo da nossa própria cabeça, com o medo de perder dinheiro ou a comodidade da poupança.

Contudo, alguns “especialistas” gostam de criar a sensação de que sabem mais do que realmente sabem, falei mais sobre isso no post sobre finanças e os profetas do passado.

A ideia então é apresentar o básico, para evitar arrependimentos, medos ou expectativas exageradas.

Vamos lá…

Ninguém fica rico do nada

Pode ser óbvio, mas muita gente ainda tem a expectativa de encontrar o investimento perfeito que irá salvar sua vida em poucos meses.

Eu mesmo tentei achar a fórmula secreta, lendo vários livros que falavam sobre o mesmo tema ou tentando conhecer todos os investimentos mais mirabolantes que garantissem uma rentabilidade extraordinária.

Posso dizer que não perdi dinheiro, porque não fiz nenhuma besteira, mas a maior lição foi que o seu patrimônio depende apenas de você para crescer, ou seja, do seu trabalho e de acumular sempre.

Conhecer o produto A ou B, facilita a sua vida mas vai ajudar lá na frente, ao invés de juntar por 30 anos serão apenas 26 ou 23, então nos primeiros meses e anos, tudo depende de você.

Mas o importante é a riqueza espiritual, e blá blá blá. Sim, concordo, mas nunca consegui pagar boletos e contas com abraços ou sorrisos. Então investir é sim importante.

Fórmulas mágicas

Complementado o item anterior. Não existe um caminho secreto que uma pessoa apenas descobriu mas por extrema bondade está vendendo na internet por um preço bacana em um curso de um mês ou menos.

As coisas levam tempo, o exemplo que ilustra bem o que quero dizer pode ser a venda de bilhetes premiados, qual a lógica?

Geralmente o ganancioso é quem perde.

Comece com o simples

Já falei aqui, mas ninguém precisa ser o gênio da matemática ou o melhor gestor de riscos para investir.

Lendo um ou dois livros, ou mesmo procurando um educador financeiro que leve conteúdo de qualidade fica muito fácil aprender o básico e começar.

Com o tempo outras oportunidades irão surgir, lembre que você levará alguns anos até juntar um montante relevante, tempo não vai faltar.

Uma dica aqui é evitar o seu gerente do banco, primeiro porque não há garantia de que ele entende de investimentos, segundo que ele vai vender produtos do banco dele, o que pode não ser o melhor para você.

Respeite seu perfil de investimento

Ninguém precisa sair do perfil moderado para o arrojado, ou do conservador para o moderado se não se sentir à vontade.

Mais uma vez, no início é comum querer acelerar os ganhos, mas nesse momento o mais importante é acumular sempre e evitar perdas, a troca de perfil pode acontecer, mas somente se você se sentir seguro e confortável para fazer isso.

Claro que a história do trader que conseguiu ficar rico antes dos 30 anos é muito bonita, mas ninguém conta quantos outros milhares ficaram pelo caminho. Lembrando que essas pessoas existem, mas elas trabalharam muito e souberam aproveitar as oportunidades, além do fator sorte que estará sempre presente.

No fim, é importante perceber que as coisas levam tempo, e a dica mais importante talvez seja: ter paciência.

Espero que tenha gostado e até mais.

Flws.

Aproveite o cupom e conheça também o curso Futuro Mais Rico

Um pouco de Renda Variável

Olá pessoal,

A forma mais simples que tenho para definir renda variável é dizer que é tudo aquilo que não é renda fixa. Pode parecer brincadeira, mas não é.

Vou tentar explicar…

Partindo do princípio de que o que você está adquirindo é um INVESTIMENTO, deixando de lado bitcoins e outras piromancias, basta você olhar para forma de remuneração, se é feito por meio de juros então é renda fixa, todo o resto é renda variável.

Lembrando, investimento é algo que se multiplica e por “n” motivos flutuação de preços não deve ser considerado investimento, blá blá blá, leia esse artigo aqui. Mofo também não é investimento apesar de se multiplicar sozinho.

Dito isso, voltemos a renda variável.

Opções de Investimento

Esse grupo de investimento é bastante abrangente, então não vou conseguir citar tudo aqui, vou buscar trazer aqueles mais conhecidos, se você tiver algo a acrescentar fique a vontade e utilize os comentários.

Ações: mais conhecida forma de se investir em renda variável e a mais popular eu imagino, chegando a ser considerada até mesmo algo místico por alguns, como se investir em ações fosse um caminho mágico para o enriquecimento fácil.

Em resumo, é uma excelente forma de diversificação e com pouco estudo já e possível começar. Pouco, mas de qualidade.

ETF’s: comentei um pouco sobre esse produto aqui. Acredito ser a melhor forma de botar o pé na bolsa sem muito risco, com grande diversificação e com oportunidades de ganho tão boas como as dos demais produtos, assim como as possíveis perdas.

Imóveis: não sou nenhum expert no assunto, gosto muito do conteúdo do Marcelo do blog Vida Rica sobre o assunto, fica o link.

Resumindo, se você utilizar seu imóvel para aluguel ok está cumprindo a função de investimento, se você tem uma casa no campo/praia para os fins de semana excelente, contudo não é investimento, pelo menos não do ponto de vista financeiro.

FII’s: outro produto que conheço muito pouco, são negociados da mesma forma que ações, por meio de cotas que podem ser adquiridas na bolsa diferente de outros fundos de investimento, além disso você recebe um “aluguel” mensal de acordo com seu número de cotas, não são todos os fundos que tem essa opção, a maioria deles sim.

Minha única observação aqui é quanto ao tipo de ativo em que o fundo investe, se é em papel, ou seja, investe em outros fundos ou CRI’s, etc, ou FII de tijolo onde há um ativo real, como um shopping ou prédio de salas comerciais.

O resto:

Depois disso vem tudo aquilo que fica muito abrangente, como ser sócio em um negócio, ou adquirir ações em outros países, construir um imóvel para vender, bem, há uma série de possibilidades.

Quando envolve trabalho, não consigo separar a parte do que é investimento e o que é remuneração, então não considero investimento, como exemplo deixo as operações de trading seja em ações, mercado futuro, opções, etc.

A ideia do post era citar alguns produtos de renda variável e trazer finalmente uma introdução do conteúdo ao blog, no futuro irei detalhar mais o assunto.

Até mais.

Aproveite o cupom e conheça também o curso Futuro Mais Rico

 

 

 

 

 

Ouro e Dólar são investimentos?

Olá pessoal,

A pergunta do post de hoje pode trazer algumas respostas contraditórias, até por alguns conteúdos que já trouxe para o blog falando sobre o assunto.

Se alguém que está começando a investir pedisse a minha opinião sobre esses dois “investimentos” a minha resposta seria que não, nem ouro, nem dólar ou outra moeda estrangeira serve como investimento.

Porém, toda regra tem suas exceções, e nesse caso não seria diferente.

São investimentos ou não?

Depende.

Uma das características que defini um investimento é sua capacidade de se multiplicar, de forma mais simples é fazer com que R$ 1,00 se torne R$ 2,00. Olhando só para essa questão podemos eliminar os itens citados acima.

Se você possui 100 dólares, mesmo que o valor da moeda varie ao longo do tempo, e a variação pode ser positiva ou negativa, você terá sempre 100 dólares, o mesmo acontece com o ouro, 100 gramas de ouro não se torna 200 gramas do dia para noite, ou após 50 anos, não importa o tempo, a quantidade será a mesma, apesar de o valor mudar.

Não quero falar sobre especulação de ativos nesse post também, e só para não perder o costume bitcoins não se encaixam nos exemplos que darei a seguir.

Quando posso usar ouro e dólar como investimento?

Eu vejo esses ativos como investimento, quando são utilizados para diversificação, o conceito nesse momento é menos financeiro, apesar de o contexto ser sobre finanças.

Vou tentar explicar.

Investir no seu conhecimento é uma forma de gerar valor, mas não necessariamente vai trazer uma renda, contudo, é algo que é aceito como investimento. O mesmo vale ao se investir em um plano de saúde, você na verdade perde dinheiro, mas no fundo sabe da importância de ter aquela segurança.

Quando diversificamos o patrimônio utilizando ativos como ouro e dólar o que estamos fazendo é criando mais segurança para esse patrimônio, claro que para chegar nesse nível a ideia é ter um montante mais alto, na casa das centenas de milhares de reais, mas nesse ponto acaba fazendo todo sentido utilizar esse tipo de diversificação.

Concluindo

A ideia não é definir ouro e dólar como investimento somente na situação específica citada acima, a questão dos motivos para fazer esse diversificação eu pretendo tratar em outro post, fugindo um pouco do tema finanças e indo mais para o lado econômico ou político.

Mais uma vez espero que tenham gostado do conteúdo e até mais.

 

Aproveite o cupom e conheça também o curso Futuro Mais Rico

TED ou DOC,entenda as diferenças

Olá pessoal,

Este post vai ser um pouco mais curto e diferente do que tenho trazido ultimamente. Contudo, como o blog trata de finanças achei que seria bacana deixar esse conteúdo por aqui, apesar de ter sido citado em alguns posts anteriores.

Em resumo, o DOC ou TED são operações para transferências de valores entre contas, sejam elas do mesmo banco ou de bancos diferentes. Ainda é possível ocorrer transações entre banco e corretora, ou qualquer outra instituição financeira.

Seja para pagar uma fatura, mandar dinheiro para um parente ou amigo, ou fazer um investimento, em algum momento iremos nos deparar com a necessidade de utilizar mais esse serviço.

Quais as diferenças?

TED

O TED ou Transferência Eletrônica Disponível, permite transferir qualquer valor entre contas, independente de ser entre o mesmo banco ou não, havia algumas regras alguns anos atrás sobre valores mínimos e máximos, mas atualmente isso não existe mais.

Outra característica do TED é que o dinheiro cai na conta (desde que haja saldo na conta de origem) no mesmo dia ou praticamente na mesma hora, claro, respeitando a regra dos dias úteis e o prazo de encerramento das operações, que normalmente é até as 16 ou 17 horas.

DOC – Documento de Ordem de Crédito

O DOC, possui algumas diferenças, permite fazer as transferências entre contas da mesma forma, mas com um valor máximo de R$ 4999,99. Então a partir de R$ 5000,00 o TED é obrigatório.

Outro ponto é que o DOC leva um dia útil para fazer a compensação, então caso programe o valor para uma sexta-ferira o dinheiro só estará disponível na segunda ou mesmo terça.

Diferenças

No geral os valores cobrados são os mesmos, então tudo vai depender da sua necessidade, pelas restrições pode parecer que o TED é muito mais vantajoso, pela agilidade e por não existir valores máximos ou mínimos. Mas, a “vantagem” do DOC é que você pode se arrepender, sim, se notar que houve algum erro dento do prazo estabelecido você consegue cancelar a operação.

Já o TED, caso a conta existir e a falha foi na hora de digitar o número da conta ou valor, já era. Então, sempre é bom estar atento.

Os valores variam dependendo do banco mas ficam entre R$ 10,00 a 20,00, lembrando que as contas digitais não cobram por este serviço, mais informações aqui.

Era isso, informações mais detalhadas sobre particularidades das operações aí só no site do banco mesmo.

Até mais.

Aproveite o cupom e conheça também o curso Futuro Mais Rico

Combo da economia nas compras online

Olá pessoal,

Tem muita gente que prefere fazer suas compras nas lojas físicas, e principalmente aproveitar esse momento para passear, seja em uma rua do centro ou em algum shopping.

Particularmente nunca gostei de ficar perambulando pelo shopping para escolher um produto, mas respeito quem gosta, quando preciso ir nesses locais eu vou direto ao ponto gasto mais tempo indo e voltando no trajeto para casa do que fazendo compras.

Quando surgiu a possibilidade de comprar pela internet, a vida passou a ter um brilho diferente. No início, sendo altamente conservador, o meu medo era comprar e não receber o produto, ou algo diferente do que havia comprado, mas passado algum tempo esse medo sumiu, e agora 99% do que preciso eu compro de forma online.

Como um bom muquirana sempre busquei economizar nessas compras também, então vou deixar aqui algumas dicas, talvez até óbvias, para aproveitar melhor o e-commerce.

Dicas de economia

Pesquisa de preço:

A pior parte das compras em lojas é pesquisar preço. Se você não olhar antecipadamente nos sites, não vai saber se a loja tem o produto a disposição e quanto está custando, então é necessário ir de loja em loja para verificar as informações.

Isso não acontece na internet. Claro, você precisa visitar vários sites, mas tudo isso a um clique e poucas palavras de distância.

Ainda melhor são os sites par comparação de preços, como o Buscapé, ou mesmo o Google, que faz isso muito bem também.

Nada melhor do que a invasão de privacidade do Google, que permite achar uma bela promoção do produto que você pesquisou alguns dias atrás.

A dica então é explorar todos estes sites em busca do melhor preço, e até mesmo esperar alguns dias para comprar pois surgem promoções o tempo todo.

Frete grátis

Existe uma certa magia na palavra gratuito, nem todos conseguem perceber.

Sempre que vou fazer uma compra online busco o site que oferece as melhores condições e o frete grátis é talvez a mais importante, nem sempre o produto mais barato ganha, tudo vai depender se o frete vai compensar também.

O que costumo fazer é comprar várias coisas juntas para atingir o valor mínimo para frete gratuito, o que não vale é comprar apenas para ter esse benefício, é sempre bom perguntar para um amigo se ele não precisa de algo do site também e dessa forma conseguir o desconto.

Planejar as compras permite usar esse beneficio praticamente todas as vezes.

Sites de Cashback  

Outra descoberta fascinante.

Estes sites, vou deixar como exemplo o Méliuz, permitem ao usuário receber de volta parte do valor gasto em uma compra, ou seja, você compra R$ 100,00 em produtos e pode receber de volta 5%, ou R$ 5,00.

Tudo vai depender da parceria do site com a loja onde está comprando. É possível consultar quais lojas oferecem os maiores percentuais de cashback, mas é comum encontrar oportunidades entre 5 a 10%.

Não tem porque não utilizar, no Méliuz a partir de R$ 20,00 de saldo já é possível solicitar seu dinheiro o que no fim das contas significa um desconto naquela compra.

Cupons de desconto

Assim como o pai do Chris gosto muito dos cupons de desconto.

Sempre que possível tento combinar as opções anteriores com estes cupons. No geral é comum que a loja onde você faz uma compra online busque fidelizar o cliente oferecendo descontos nas próximas compras, basta ficar de olho no spam do seu e-mail.

A pior parte é combinar cashback com cupom de desconto, no geral ou é um ou outro.

Pode ser meio trabalhoso verificar vários sites e ficar procurando qual deles oferece o melhor desconto ou a melhor oportunidade de cashback, mas garanto que você irá gastar bem menos tempo e dinheiro do que se fosse fazer isso dentro do shopping.

Sem falar nos preços mais baixos praticados na internet, devido a não necessidade de aluguel de um espaço físico ou contratação de vendedores. Mas esse fica para um outro post.

É isso por hoje, espero que alguma dica seja útil mesmo que óbvia.

Até mais.

Aproveite o cupom e conheça também o curso Futuro Mais Rico